No Ninho da Serpente ... 2 anos a celebrar a Mulher!

18-04-2015 20:32

Em 2013, fui desafiada por uma mulher para abrir Círculos de Mulheres. Primeiro deu-me medo!... Como abrir abrir trabalhos apenas com mulheres quando eu própria carregava a ferida da traição da mulher em mim? Quando eu própria já tinha sido traída por mulheres e tanto me tinha traído à minha essência e ao meu útero de mulher? As dúvidas mantiveram-se mas confiei que a Grande Mãe me guiaria nesta aventura.

Dado que desde 2011 que a Serpente me visitava em trabalhos de abertura de consciência e cura profunda com a Medicina Sagrada, foi intuitivo para mim sentir que a Serpente - meu animal de poder ao lado do Leão -, seria a guardiã destes Círculos. Daqui a chegar ao seu Ninho foi um passo instantâneo que dei...

A 25 de Maio de 2013 abro o 1º Círculo de Mulheres No Ninho da Serpente e guiada pela consciência divina e sagrada da Grande Mãe encetei, como guardiã, nesta re-descoberta de mim e das outras mulheres. No Ninho da Serpente - um nome que arrepia, que repulsa mas que também atrai... primeiro estranha-se, depois entranha-se, diz o poeta.

Muitas mulheres apareceram até hoje. Muitas foram. Muitas ficam a alimentar este Círculo de Amor sem princípio e sem final que somos. E tanto que tenho aprendido com todas elas, sendo que a principal lição é a de que o que sou e o que somos não tem tempo e está para lá, ainda, das nossas compreensões humanas. Está para lá dos seguidismos e fanatismos... É puro, é transparente, é a absoluta fé de que existe algo mais precioso que os nossos egos ou feridas... É algo que nos diz que a pureza conquista-se e trabalha-se.

Neste Caminho move-me o amor por mim e por ti, mulher. Move-me o amor pelas nossas filhas e filhos, pelos nossos homens... Move-me o poder da Serpente que se apresenta em cada trabalho de forma impetuosa e curadora, sem meias palavras, acutilante e sábia. Move-me a re-descoberta das nossas práticas ancestrais e que permanecem guardadas nas nossas células num tempo antes do patriarcado e da sua linguagem que castra e fere. Move-me o profundo amor e reverência à Grande Mãe que, fertilizada todos os das pelo Grande Espírito, nos ensina os sábios ciclos de vida e morte obrigatórios no caminho do espírito na Terra.

Nesta vida escolhi ser Mulher e celebro isso todos os dias da minha vida com outras Mulheres que amo e respeito profundamente, mais do que as palavras podem expressar. Tenho sentido em mim as vossas dores, desafios, sonhos e concretizações. Temos celebrado os sucessos e as tristezas. As vindas e as idas. Tenho-me rendido ao vosso poder, amor e beleza. Que seria de mim sem vocês, mulheres partes de mim? Que seria da Serpente se não vos pudesse acolher no seu Ninho? Somos tudo isto juntas e honro-nos com profunda gratidão pela nossa beleza e irradiam humana e divina...

Somos um Círculo dentro de um Círculo. Sou a guardiã e cada uma de vocês me guarda a mim. A Serpente - Grande Mãe, guarda-nos a todas nós. Nós que buscamos curar a ferida da nossa cisão profunda e ancestral - a divisão acesa entre a santa e a selvagem. Uma cura que nos pede coragem, entrega, saltos de fé, questionamento e integridade. Que nos pede amor, muito amor, acima de tudo por nós mesmas e por cada uma das irmãs do Círculo.

O que vem agora depois de 2 anos intensos e transformadores? Ainda não sei ao certo, mas sei que a Serpente está a mudar de pele. Eu estou a mudar de pele. Creio que em breve retornarei à minha essência desta vida. A Grande Mãe instruí-me no resgate das nossas práticas ancestrais, no rebuscar do nosso amor próprio e poder pessoal para que nunca mais abandonem os nossos Cálices Sagrados de manifestação divina e sagrada.

A Medicina da Serpente está activa e poderosa, chamando ao seu Ninho das Mulheres que se permitem no mergulho em si mesmas - em expressão genuína de si mesmas, em liberdade e em celebração consciente do que carregamos como sagrado: o nosso útero e coração.

Aho Mulher! Aho Mulheres! Continuemos então a serpentear unindo o poder da vida e da criação! Celebrando os encontros e reencontros! Transformando e potenciando o poder ancestral de sermos Filhas da Terra.

Agradeço ao meu companheiro de vida e trabalho, Hugo Muacho, por também estar a crescer e a manifestar o seu Jaguar à medida que a Serpente se expande e se cura.

Para lá do amor e respeito que me une a estas mulheres, agradeço ainda:

* Carla Correia pela tua amizade verdadeira e intemporal... já lá vão quase 2 décadas de irmandade;

* Sara Rica Gonçalves pela coragem e sensibilidade de nos mostrares como somos em imagens e vídeos;

* Rosa Leonor Pedro pela inspiração e manifestação de quem és na essência;

* Ana Paula Rebelo pela integridade e reconhecimento mútuo;

* Zizi Pereira Lopes por me recordares que somos antigas como a Terra;

* Johanna Samna pela amizade pura de irmãs;

* Liliana Guerreiro por estamos uma vez mais na vida uma da outra;

* Mónica Isabel por seres um espelho de mim em tanta coisa e abrires caminhos para serpentearmos mais;

* Joana Brokulos pela irmandade e confiança que fomos construindo e curando;

* Beatriz Rodrigues Dias Quintas pela tua beleza que desabrocha mais e mais;

* Milena Mendes por tantas vezes te entregares em cura e confiança;

* Rosário Angel pela força, coragem e persistência em te manteres fiel a ti mesma;

* Carla Ávila por sentires tanto a verdade deste trabalho mesmo a quilómetros de distância.

Agradeço ainda às mulheres que têm sentido e chamado este trabalho aos seus espaços - Cláudia Candeias (Odeceixe), Luísa Franco (Peniche) e Josefa Henriques (Vila Franca de Xira).

Agradeço a todas as todas as mulheres que foram e são minhas professoras. Sou grata pelo que me ensinam e pelo quanto me fazem crescer.

Agradeço a todas as Mulheres que sentem a Serpente e a acolhem trabalhando os seus medos e dúvidas para a cada passo do caminho se superarem.

Agradeço à sabedoria da Grande Mãe que se manifesta amorosa e firme, disponível e crua, tal como Ela É... sem máscaras, sem nomes, sem interpretações... apenas como é - eterna, imensa, visceral, dual e transcendente.

Agradeço à Serpente interior que me guia e se manifesta em mim com todo o seu poder de cura, sabedoria, inteligência, astúcia e capacidade de largar peles à medida que a tal é chamada. Honro-me por ser quem sou, pelo meu caminho, coragem, tenacidade, foco, dor e amor.

Em amor, de coração e útero, convido-te a serpentear comigo/connosco... Aho!0

Isabel Maria / Isisbella / Angélica 25 de Maio de 2015